A evolução das telecomunicações sem fio

Conscientes disto ou não, a realidade mostra que dependemos e confiamos nas redes de fibra ótica, todos os dias. E por mais que não se use Internet de fibra ótica em casa, provavelmente a usemos na palma de nossa mão. Graças aos smartphones podemos acessar Internet facilmente, mas percorreu-se um longo caminho desde o princípio. Examinemos mais de perto a evolução das telecomunicações sem fio, e como os serviços de fibra ótica desempenham um papel tão importante para tanto.

A trajetória do 1G ao 5G

Antes de mais nada, vejamos o significado de 1G, 2G, 3G, 4G e 5G e o trajetória dessas tecnologias ao longo do tempo. Trata-se de cinco gerações diferentes (daí vem o “G”) de redes móveis. Ao contrario do que se pensa, as redes móveis existem desde a década de 1980, e a cada década estreia-se uma nova geração. Uma “geração” refere-se a um conjunto específico de padrões estabelecidos pelas redes telefônicas. A cada geração, a velocidade dessas redes aumenta.

A princípio dos anos 80, o 1G se popularizou em todo o mundo. Nesse período, vimos a primeira rede celular comercial que utilizava sinais analógicos. Embora inovador, surgiu-se uma serie de problemas com esta primeira geração. Os aparelhos telefónicos dispunham de baterias de pouca duração e má qualidade de som e voz, e a interrupção constante das chamadas era lei. Além disso, os aparelhos eram muito maiores, o que gerava incomodidade em sua posse e no uso diário.

Já no começo da década dos 1990, o 2G começou a surgir. A segunda geração utilizou-se de sinais digitais substituindo os analógicos, e incluiu uma nova ferramenta digital para a transmissão sem fio conhecida como Global System for Mobile (ou GSM), que aprimorou-se no decorrer dos anos. O objetivo principal aqui era oferecer uma opção de comunicação mais confiável e segura. Durante esse tempo, introduziram-se novas funções como o SMS, conferencias telefônicas, retenção de ligações, roaming interno e outras mais. Com uma velocidade de dados maior, o padrão 2G era utilizado para enviar e receber mensagens de texto e correios eletrônicos.

No começo da década dos 2000, o 3G já estava em cena. Essa geração é aquela com que muitos de nós nos familiarizamos pela primeira vez quando os telefones celulares foram disponibilizados para as massas. Com este padrão tecnológico, tornou-se possível realizar tarefas como download de vídeos, realizar pesquisas na Internet, compartilhar fotos, realizar chamadas de vídeo, jogar jogos online e participar de plataformas nas redes sociais. O objetivo do 3G era melhorar os serviços de capacidade e de transmissão de dados, mantendo os baixos custos e a capacidade de executar uma ampla gama de aplicativos.

E no ponto mais alto dos anos 2010, surgiu o 4G. Ao atualizar a tecnologia existente, o LTE (Long-Term Evolution) virou padrão durante esta geração. Isso permitiu que os dispositivos contem com uma maior taxa de dados e maior capacidade para realizar tarefas multimídia. A velocidade mais célere é um padrão para esta geração, aliada a uma maior qualidade de serviço, maior segurança e custos mais baixos.

E agora, somos testemunhas do surgimento das redes 5G. Esta geração promove o desenvolvimento de novos padrões para apoiar a nossa crescente Internet das coisas (IoT, sigla em inglês). Vale destacar que as tecnologias equipadas com 5G destinam-se a acelerar ainda mais as transmissões de dados enquanto diminui-se a latência, melhora-se a capacidade e a confiabilidade e mantêm-se a consistência e o rendimento. Embora essa geração seja relativamente nova, está predestinada a proporcionar uma experiencia unificadora para todos os usuários.

Como as redes de fibra ótica influenciam esse processo

Com tudo isso em mente, perguntamo-nos sobre o fator que exerce as redes de fibra ótica em toda essa equação. Durante os últimos cinco anos, a industria de fabricação de cabos de fibra ótica cresceu a impressionantes 11,8%. Parte de esse incremento se deve pela maior demanda atual de redes de fibra ótica no segmento das comunicações móveis. Embora se supõe a utilização das redes sem fio a esses dispositivos móveis, a realidade é que as redes sem fio dependem da fibra ótica. Para melhorar a capacidade sem fio, deve-se antes concentrar na escolha da fibra. Não é possível aumentar a velocidade e a capacidade das redes móveis sem dar o devido mérito à fibra ótica. Para dizer de forma clara, a fibra ótica é quem confere às redes sem fio seu poder para começar a operar.

Após a leitura desse artigo, e agora que você já é um especialista sobre a evolução das telecomunicações sem fio, é possível que esteja ansioso pra aprender mais sobre tudo o que uma rede de fibra ótica pode fazer por você. Para mais informações, contate-nos hoje mesmo.

Name (required)

Surname (required)

Email address (required)

Country of residence (required)

Country requested(required)

Service(required)

Type of company(required)

Company

Possition

Telephone

FreelanceCompany

Name of company

Subject

Mensaje

I accept the terms of use and Privacy Policy.

By completing and sending this form, you expressly authorize UFINET LATAM SLU to include this information in a database whose sole purpose is to improve our services. The data will not be transferred to third parties, except legal obligation. You may exercise the rights of access, rectification, deletion (cancellation), opposition, limitation to the processing of your data and portability in accordance with the provisions of the law, and this Privacy Policy.